sexta-feira, 24 de junho de 2016

até já

Após um interregno não planeado durante as férias da Páscoa, e com o regresso às aulas, as nossas rotinas escolares e laborais, assim como projectos extra e muito aliciantes, deixaram-me com menos tempo para escrever. O blog foi ficando à espera. Escrevi uns textos que ficaram em rascunho. Nuns dias não publiquei porque estava a trabalhar muito, noutros dias não publiquei porque simplesmente não me apetecia, noutros ainda não publiquei porque a vida offline me chamava para o divertimento ou para o amor (e às vezes para os problemas também). A vida foi acontecendo.

Comecei a repensar a vida online. Não sou daquelas pessoas muito resolvidas que nunca sentem necessidade de repensar posturas e eventualmente redirecionar-se.

Depois, tive um ou outro encontro com pessoas que nunca nos contactam e que abordaram os meus filhos como se convivessem diariamente com eles. Usaram informações que partilho no facebook (ou aqui, pois algumas pessoas não admitem ler o blog) com os miúdos. Fizeram passar uma imagem de proximidade que não existe na prática da vida do dia-a-dia, do bem-querer, do contar com. Ninharias de dia-a-dia. Ainda assim, arrepiei-me.

Acrescentei a isto o facto da Magnólia se aproximar da idade legal para poder abrir conta no facebook. Pensei: poderá ser-me desconfortável ver a minha filha partilhar disto online com aqueles que não lhe surgem nas alegrias e nas aflições da vida offline. Questionei-me: nesse caso, o que é que quero que a minha filha me veja partilhar (no caso de querer ser minha “amiga”) online? Afinal, faz o que eu digo, mas… e o que eu faço?
Fiz uma restrospectiva, pus muitas coisas em cima da balança.

Não esqueço o meu prazer em partilhar, nem a importância da entre-ajuda.
Uso muito tempo a pensar “como podemos partilhar as verdades entre nós, pais adoptivos” sem expor os nossos filhos? Porém, há aqui questões em que o anonimato não passa, não funciona.
Vou continuar a pensar muito nisto. Quero muito ajudar as pessoas que estejam a passar pelo que já passei, e também quero muito estar com outras que já passaram onde estou, que me ajudem a ver além das minhas angústias actuais.

Vou dar uma volta, offline.

O blog fica em estado vegetante, reverti os posts para rascunho.
Não estou zangada com a internet nem com os blogs. Gosto muito das redes sociais mas agora só uso o facebook, mais nada. Quer dizer, leio os blogs, só não uso o meu.

Saibam que estamos bem, muito bem :) Não compliquemos, é Verão.

Quando descobrir o registo mais confortável para poder continuar a partilhar o que possa ser importante para outros no mesmo caminho, cá virei dar notícias. Quem quiser ficar na lista das notícias pode enviar email a “inscrever-se”.

Para já, vamos a banhos.

Tudo de bom para vós
e... obrigada pelas partilhas,
Cipreste

5 comentários:

Anónimo disse...

Que bom...a vida a acontecer. ate breve!

Anónimo disse...

Até já.
Foi muito bom este tempo de partilha, de fazer pensar sobre a maternidade e sobre a vida em geral.
Segui sempre o blog e foi bom assistir aos "efeitos" da maternidade, as coisas que nos traz, o que nos acrescenta e o que retira.

Um grande beijinho para todos, foi um prazer enorme! Que a vida vos traga as maiores felicidades.

Teresa

Olivia Batista disse...

:) até breve então.
Tenho muita pena de não poder acompanhar o vosso trabalho enquanto pais, mas a vida é assim, também eu há uns anos me deixei do facebook... que só uso para trabalho num grupo fechado... o blogue vou mantendo, até um dia...
beijinhos e foi um gosto ter encontrado o vosso blogue online!

Joana Mendonca disse...

Até breve! Eu vou estando por aqui. Beijinhos para todos!

(deixo para tua reflexão: eu partilho o que escrevo com a R. mesmo antes de publicar e falamos bastante sobre o porquê de partilhar e o que queremos e/ou devemos ou não partilhar. Desta forma, não sinto que invado o espaço dela. Já aconteceu ela dizer que não quer que eu partilhe alguma coisa e eu não o faço. Mas é uma questão delicada.)

Cipreste disse...

estou de volta :)
obrigada pelas palavras!
até já