sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

sushi, sashimi, gengibre e wasabi

Estas têm sido umas semanas muito particulares. Anda aqui qualquer coisa a acontecer. Sinto que se está a dar uma viragem nesta família, nas pessoas desta família. Não sei a ordem dos factores, se é cada um que está a aclimatizar-se ou se é a família como um todo e que depois proporciona as condições a cada membro para a sua adaptação. Há-de ser, certamente, uma miscelânea.
Esta semana soube-me bem, soube-me a real. Não foi sempre bonita, há, aliás, uma coisa que me anda a incomodar muito e que não sei como solucionar. A minha mente parece aquelas passagens nos filmes, em que fazem retrospectivas em flash. Não sendo propriamente uma semana bonita, foi uma semana real, franca.


Ontem, para tornar esta numa semana ainda mais especial, fomos jantar fora e depois ao teatro.

Há determinadas coisas que só dizemos aos meninos antes de acontecerem para eles não andarem a antecipar. Temos de ter especial atenção com o Chaparrito, fragiliza-se muito com qualquer coisa que sirva para se questionar, para se sentir inseguro e isto pode concretizar-se, por exemplo, em mau comportamento na escola nesse dia. Assim, só lhes dissemos cerca de meia-hora antes de sair de casa. A minha mãe está cá e ficou com eles. Ainda o Chaparro lhes estava a dizer e já eu via os olhos do Chaparrito a ficar vermelhos. Veio logo para o meu colo e começou a chorar copiosamente. Pumba. Olhei o Chaparro com aquele olhar de “fiquemos em casa” e ele retribuiu-me com o outro olhar, o de “nem penses”. 
A última vez que a minha mãe estivera cá eu tinha feito destes planos e anulei-os precisamente porque achei o Chaparrito mais frágil naquele dia. 
Se o Chaparro não se impusesse é bem capaz que este ciclo nunca mais fosse interrompido. 
Quando saímos de casa o pequeno já estava bem disposto, mas isso não o impediu de me lançar o seu olhar de cachorrinho quando saí, e olhem que ele é, por definição, de tipo cachorrinho do mais fofinho que há.

Já no restaurante, estava cheia de dor de consciência, sentia um ímpeto enorme para me levantar e zarpar para casa. Era quase um sofrimento. Só quando lhes telefonámos para dar as boas noites, antes de ir para a peça, é que relaxei.

Comentei que era a primeira vez que ia comer japonês desde a chegada dos meninos. Comecei a fazer contas de cabeça e questionei o Chaparro - olha lá, quantas vezes fomos ambos jantar e a um espectáculo, desde que temos os meninos? 
Ora… noves fora…. nada. 
Era a primeira vez. Ontem foi a primeira vez que saímos os dois para um programa completo desde que tivemos os meninos. Já fomos à vez. E já tínhamos ido ambos ver um espectáculo de dança, tendo a minha mãe ficado com eles, mas jantámos em casa e saímos 15 minutos antes da hora deles de deitar.

Ontem, matei saudades de sushi, sashimi, gengibre e wasabi, acompanhados de chá de jasmim. 

O tema de conversa começou por ser disperso, mas acabámos com uma conversa muito profunda sobre os nossos filhos e os últimos tempos, o nosso processo, e o de cada um de nós enquanto pais. Comovi-me em vários momentos. Demos as mãos, como sempre, mas ontem éramos mesmo só nós dois. Vimos uma peça. Lavei a alma e cheguei tão feliz a casa para ir espreitar os meus filhos a dormir.


Na verdade, eu tenho dois bebés com 1 ano e 4 meses, faz todo o sentido que só agora comece a sair.
Não é assim com todos os pais?

Cipreste

6 comentários:

Olivia Batista disse...

Muito bem!
Foi um passo em frente, e certamente muito apreciado.
E sim, convém começar a sair mesmo com filhotes tão pequenos!!!

Um dia calha-me a mim!
bjs

Anónimo disse...

:)

Anónimo disse...

Boa!! Acho que é essencial termos esses momentos!
Nós só saímos juntos nestes últimos meses para comprar presentes de natal e uma cozinha :)!
Ana F

Lígia disse...

:)
Isso é fantástico... confesso que ainda não tive coragem para esses programas à noite... aliás nem para um jantar com as amigas... o marido fez e correu tudo bem, mas quando comentei que tinha algo marcado e ficavam os dois, o meu rapazote fez logo um ar de amuado...
já falámos várias vezes em levá-lo para passar a noite com os avós ou com os tios, que estão sempre a convidar. Ele fica sempre entusiasmado até perceber que nós não ficaríamos!!! Vê-se o olhar dele a esmorecer!!!
sei que é muito importante, especialmente para eles aprenderem que os pais também são gente, que existem programas só para adultos, e que isso não implica gostar menos deles ou abandoná-los... mas é difícil!!! aqueles olhinhos perdidos matam-me o coração!!!!
um dia destes vou ganhar coragem e transmitir-lhe esse sentimento e também vai correr tudo bem!!! ;)

Joana Mendonca disse...

É tão bom! Grande passo!!! Nós também demoramos cerca de um ano para deixar a K. pela primeira vez.

dia limpo disse...

Olhem que linda caixa de comentários: 5 famílias adoptivas em 5 comentadores :)))

quer dizer, supondo que aquele sorriso anónimo seja do Chaparro :P

Bom dia, colegas!

Cipreste